Membranas celulares

Página 2 de 4 Anterior  1, 2, 3, 4  Seguinte

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo

proteinas intregrais e periféricas

Mensagem  Samara Barros em Dom Dez 02, 2007 11:38 am

Shocked Intregrais ou intrínsecas: encaixadas através da bicamada lipídica, sobressaem nas duas superfícies da bicapa lipídica. São estruturais, enzimas, receptoras e transportadoras.
Extrínsecas ou periféricas: ficam na superfície da bicamada lipídica, atraídas pela porção polar dos fosfolipídios ou ligadas às proteínas intregrais. Tem atividade enzimática.
bibliografia:www.cicmachado.com.br/beno/membra.ppt

Samara Barros

Mensagens : 7
Data de inscrição : 22/11/2007

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

assimetria da membrana

Mensagem  Samara Barros em Dom Dez 02, 2007 12:00 pm

Smile Em relação a quantidade:
Os glicolipidios estão logalizados principalmente na menbrana plasmática, sendo encontrados apenas na ametade não-cistolica, uo seja no lado externo da bicamada. Portanto os seus grupos acúcar estão exportos no exterior da celular onde formam a parte de capa protetora de carboidratos(glicocálix) que envolve a maioria das celulas animais. esses glicolípidios são: fosfatídileo e esfingomielina.
o colesterol está distribuido quase iqualmente em ambas as nonocamadas.
outra moleculas lípidicas como fosfatidilseuna, fosfatidiltanolamina e fosfatidilmasoitol, estão distribuidas na face interna da membrana em pequenas quantidades, desempenhadom papeis na transmissaõ de sinais da superficie celular para o componente intracelular que irão responder ao sinal. Elas agem somente após sinal ter sido transmitido através da membrana.

Samara Barros

Mensagens : 7
Data de inscrição : 22/11/2007

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

importancia da assimetria da célula

Mensagem  Samara Barros em Dom Dez 02, 2007 12:13 pm

clown Os carboidratos e glicolipídios encontrados na face externa da membrana formam o glicocálix que ajuda a proteger a célula contra lesões mecânicas, além de conferir uma superficie lisa, que auxilia a mobilidade das celulas na passagem de caminhos estreitos e impede. Assim os carboidratos protegem e lubrificam a celula, desempenhado palel importante no reconhecimento célula- célula e na junções celulares.
Na face interna os lipídios transmitem sinais da superficie celular para as organelas.
Essa assimetria é funcional permite a interação com certas proteínas e serve dentre outros para sinalizar a morte de da célula.
study bibliografia: 164.41.105.145/pesqpsf/fs/fundamentos/celulae.ppt

Samara Barros

Mensagens : 7
Data de inscrição : 22/11/2007

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Lipossomas

Mensagem  Cynthia em Dom Dez 02, 2007 5:02 pm

Professor, mandei errado... Embarassed mas deu certo agora!!


Os lipossomas podem ser definidos como associações coloidais de lípidos anfipáticos, que se organizam espontaneamente em estruturas fechadas tipo concha esférica. Podem ser preparados a partir de misturas lipídicas naturais extraídas e purificadas, ou a partir de lípidos sintéticos, disponíveis comercialmente. Conforme é indicado na Figura 1, os lipossomas podem ser classificados em termos de tamanho, número de lamelas (e sua posição relativa), constituição lipídica (o que também condiciona a sua carga), estabilidade e modo de preparação18.

Como o nome indica, estas vesículas são constituídas por várias bicamadas lipídicas,
aproximadamente concêntricas, podendo o seu diâmetro variar entre 400 e 3500 nm3

Não sei se tem muito haver, mais da pra ajudar!!!

http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0100-40422002000700019&lng=pt&nrm=iso&tlng=pt

Cynthia

Mensagens : 12
Data de inscrição : 21/11/2007

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Biomacromoléculas

Mensagem  Cynthia em Dom Dez 02, 2007 5:09 pm

Acho que achei algo importante sobre biomacromoléculas...
e foi em outro forum...hehehhehe rabbit
Carboidrato que fornece por hidrólise outros carboidratos de menor massa molecular, e que constituem a sua molécula mediante ligações efetuadas através de átomos de oxigênio; glicana, glicano, poliose.
lipídio
Qualquer das substâncias de origem biológica, apolares e insolúveis em água, tais como óleos, gorduras, terpenos e esteróides, muitas das quais, quando hidrolisadas, fornecem ácidos graxos; lípide, lipídeo, carbono.
proteína

http://br.answers.yahoo.com/question/index?qid=20070808041702AAxDedx

Não sei se estar certo...mais a pergunta era "Quais são as biomacromoleculas ,defina a atuação de cada uma delas ???" Entao deve estar correta!
Caso eu esteja errada, professor me avise! Sad

Cynthia

Mensagens : 12
Data de inscrição : 21/11/2007

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Formação das lipoproteínas

Mensagem  Cynthia em Dom Dez 02, 2007 5:40 pm

Bom, completando um pouco da resposta de thalyta..eu achei algo mais sobre a formação de algumas lipoproteínas...
Ai vai!! Laughing

Quilomícron: O quilomícron é sintetizado no intestino, a partir dos TG absorvidos da dieta. Suas principais apoproteínas também tem síntese intestinal.
Após a biossíntese, o quilomícron é lançado na circulação, onde, por ação da apo C II, ativa a Lipoproteína-Lipase (LPL), uma enzima sérica que hidrolisa os TG e libera Ag para o tecido adiposo e outros tec. periféricos, e a TG-Lipase, que desempenha a mesma função só que no tecido hepático.
Durante este processo, o quilomícron troca (doa) apo C II e A I com o HDL , e recebe deste apo E.
O quilomícron assim se transforma em quilomícron remanescente, rico em apo E III e apo E IV, que é captado e catabolizado pelo fígado.
VLDL: O VLDL sofre um processo semelhante ao do quilomícron, com a diferença que seus TG são endógenos, sintetizados pelo fígado.
A degradação enzimática pela LPL e a troca de apoproteínas com o HDL também é semelhante. O resultado destes eventos é que difere da situação anterior: A degradação do VLDL dá origem ao IDL, que por sua vez é convertido em LDL ou é captado pelo fígado via receptores para apo E. Nesta conversão, a apo B que no VLDL estava mascarada, aparece como a principal apoproteína do IDL e do LDL.
IDL e LDL: São sintetizadas na corrente sangüínea a partir da ação da LPL - ativada pela apo C II - sobre o VLDL. O LDL é captado pelo fígado ou pelos tecidos periféricos utilizadores de colesterol via receptores para apo B 100, muito mais eficientes que os receptores para apo E. Nestes tecidos o LDL sofre hidrólise, liberando colesterol livre e aminoácidos.
HDL: Seu local exato de síntese ainda é discutido atualmente. Aceita-se que o HDL é formado tanto no fígado e intestino quanto a partir das apoproteínas liberadas no catabolismo do quilomícron e do VLDL, atuando assim como um captador de lipídeos e apoproteínas remanescentes do catabolismo de outras lipoproteínas

hiii..ta grande...mais não custa nada olhar!!! tongue

Cynthia

Mensagens : 12
Data de inscrição : 21/11/2007

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

bibliografia

Mensagem  Cynthia em Dom Dez 02, 2007 5:42 pm


Cynthia

Mensagens : 12
Data de inscrição : 21/11/2007

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Professor

Mensagem  Cynthia em Dom Dez 02, 2007 5:45 pm

Professor, a gente encontra muita informação na internet, mais nem sempre a gente sabe do que se trata...nomes que a gente nunca viu...essas coisas... Crying or Very sad é chatoo!!!
Mais o que vale é a boa intenção!

Cynthia

Mensagens : 12
Data de inscrição : 21/11/2007

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

TERMOS DESCONHECIDOS e ETC

Mensagem  Admin em Dom Dez 02, 2007 6:45 pm

No caso de encontrarem coisas desconhecidas, ou estranhas!
1° Coloque no forum para ver se alguem conheçe ou sabe o que é
Se não for respondido, traga para a sala de aula que tentarei responder.

Admin
Admin

Mensagens : 18
Data de inscrição : 20/11/2007

Ver perfil do usuário http://bioquimicauepb.forumeiros.com

Voltar ao Topo Ir em baixo

Assimetria da membrana....

Mensagem  Alinny Costa em Seg Dez 03, 2007 8:37 am

Bom pessoal, achei alguma coisa no livro:

A maioria das membranas possui um ladeamento específico, ou assimetria, o que também pode ser explicado pelo modelo do mosaico fluido. Em primeiro lugar, os lipídios polares nas faces interna e externa da membrana plasmática das células animais e bacterianas diferem em composição. Por exemplo, a camada lipídica interna da membrana eritrocitária humana contém principalmente fosfatidiletanolanina e fosfatidilserina, enquanto a camada externa contém principalmente fosfatidilcolina e esfingomielina. Em segundo lugar, alguns dos sistemas de transporte das membranas funcionam apenas numa direção. Por exemplo, os eritrócitos contêm um sistema de transporte de membrana , ou "bomba", que bombeia Na+ para fora da célula, ao meio circundante, e K+ para dentro às expensas da energia fornecida pela hidrólise do ATP dentro da célula. Em terceiro lugar, a superfície externa das membranas plasmáticas é rica em grupos oligossacarídeos que contribuem com os grupos cabeça dos glicolipídios e as cadeias laterais dos ologossacarídeos das glicoproteínas de membrana, enquanto que a superfície interna da membrana plasmática é praticamente desprovida de tais grupos oligossacarídeos.
A assimetria das membranas biológicas é mantido e preservado em grande parte pela resistência da bicamada de lipídios à transferências de moléculas individuais de fosfolipídios de uma face da membrana para outra.

Bibliografia: Lehninger Princípios de Bioquímica...

Wink

Alinny Costa

Mensagens : 11
Data de inscrição : 20/11/2007

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Formação das lipoproteínas....

Mensagem  Alinny Costa em Seg Dez 03, 2007 9:16 am

Achei algo mais a respeito da formação das lipoproteínas, tem algumas parte meio complicadinha, mas tudo bem. drunken .. Aí vai :

Alguns lipídios estão associados com proteínas específicas formando lipoproteínas.. No plasma sanguíneo há três classes principais de lipoproteínas plasmáticas, que podem conter de 50 a 90 por cento de lipídios. Nestas proteínas conjugadas nenhuma ligação covalente existe entre as moléculas dos lipídios, fortemente ligadas, e os polipeptídeos. As lipoproteínas plasmáticas contêm tanto lipídios polares e triacilgliceróis , como o colesterol e seus ésteres. Os triacligliceróis e o colesterol, não-polares, são escondidos no interior de uma camada externa de segmentos hidrofílicos soluveis em água das cadeias polipeptídicas e das cabeças hidrofilicas polares das moléculas dos fosfoglicerídeos. A capa hidrofílica externa das lipoproteínas voltada para água confere a estas estruturas ricas de lipídios solubidade em água, bem adaptada ao transporte dos lipídios no sangue, do intestino delgado para os depósitos de gordura e tecidos. As lipoproteínas do plasma são classificadas de acordo com suas densidades, que por seu lado é um reflexo do seu conteúdo de lipídios. Quanto maior o seu conteúdo lipídico, menor será sua densidade e maior a sua tendência de se mover pra cima, flutuar ,quando o seu plasma sanguíneo for centrifugado em altas velocidades. Além das três classe de lipoproteínas, o plasma sanguíneo também contém os [u]quilomocrons, principalmente depois de uma alimentação rica em gordura.
Muitas evidências sugerem que a combinação de um nível plasmático muito alto das lipoproteínas de densidade muito baixa (VLDL) com um nível baixo das lipoproteínas de alta densidade (HFL) é um fator causal importante aterosclerose, formação de depósitos espessos de colesterol e seus ésteres na superfícies internas dos vasos sanguíneos.

drunken
Bibliografia: Lehninger Princípios de Bioquímica

Alinny Costa

Mensagens : 11
Data de inscrição : 20/11/2007

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

proteínas transmembranas, periféricas e porinas

Mensagem  Dayse Leone em Seg Dez 03, 2007 9:54 am

Achei algo pra ajudar na resposta de sobre os tipos de proteínas. aí vai:

Proteínas transmembranas
Pequenas moléculas polares não carregadas, como água, glicerol, conseguem entrar na célula mas tem maior dificuldade. Grandes moléculas polares não carregadas, glicose, sacarose, conseguem entrar, mas muito pouco, pela membrana. Íons, como Na+, K+, não conseguem entrar na célula pela membrana. Vale ressaltar que existem os chamados canais iônicos, que são proteínas transmembranas dispostas de maneira a formar um canal, que permitem a entrada dos íons na célula através da membrana.
As Proteínas transmembrana atravessam a bicamada lipídica e são anfipáticas. Elas podem atravessar a membrana uma única vez (proteína transmembrana de passagem única) ou então atravessando várias vezes a membrana (proteína transmembrana multipassagem. As proteínas transmembrana podem ser em a hélice ou arranjados como barris b. Podem ter a função de transportar íons, funcionar como receptores ou como enzimas. A grande maioria das proteínas de membrana multipassagem das células eucarióticas e da membrana bacteriana é formada por a hélices transmembrana, enquanto as barris b se restringem principalmente às membranas externas das bactérias, das mitocôndrias e dos cloroplastos.

Proteínas periféricas:

As Proteínas periféricas se prendem a superfície interna e externa da membrana plasmática através de vários mecanismos.As proteínas de membrana estão geralmente associadas a carboidratos, que são encontrados como cadeias de oligossacarídeos ligadas covalentemente às proteínas (glicoproteínas) e a lipídeos (glicolipídeos), ou como cadeias de polissacarídeos de moléculas de proteoglicanas. O glicocálice é uma zona onde se encontra vários desses carboidratos na superfície da membrana.

Porinas:

Porinas são proteínas constituídas por subunidades que se agrupam para formar poros na membrana externa criando pequenos canais que permitem a difusão de moléculas de baixo peso molecular como nutrientes, por exemplo. As porinas podem transportar moléculas de modo seletivo ou não-seletivo, mas não podem fazê-lo contra um gradiente de concentração. Uma vez que grandes moléculas não se difundem através desses canais, o peptidoglicano das bactérias Gram-negativas está relativamente protegido da ação da lisozima. As porinas restringem o acesso de muitos agentes antimicrobianos ao citoplasma das bactérias Gram-negativas, que de modo geral, são mais resistentes a drogas que as Gram-positivas.

bibliografia:

http://www.virtual.epm.br/material/tis/curr-bio/trab2004/1ano/membrana/passivo.htm
http://www.ufmt.br/bionet/conteudos/15.09.04/prot_memb.htm
http://www.fam.br/microrganismos/bacteriologia_envelope.htm

Dayse Leone

Mensagens : 6
Data de inscrição : 26/11/2007

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

sobre proteinas intrinsecas e extrinsecas

Mensagem  Paula em Seg Dez 03, 2007 10:40 am

mais sobre proteinas da membrana... Cool
Cerca de 70% das proteínas que a compõem são qualificadas como intrínsecas, pois ficam solidamente aderidas à sua estrutura e dela só podem ser extraídas com tratamentos drásticos (detergentes, sais biliares e solventes orgânicos). As proteínas extrínsecas (30% das proteínas membranosas) estão fracamente ligadas à superfície da membrana por forças eletrostáticas, deslocando-se intensamente no
mosaico-fluido que caracteriza a membrana plasmática e que é o modelo teórico, atualmente aceito para a estrutura da membrana, proposto por SINGER e NICHOLSON.

@ http://biologia.ifsc.usp.br/bio1/capitulos/cp1parte1.pdf

Paula

Mensagens : 13
Data de inscrição : 22/11/2007

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

lipoproteinas

Mensagem  Paula em Seg Dez 03, 2007 10:48 am

um resumo sobre lipoproteinas...
I love you As lipoproteínas são agregados supramoleculares formados por triacilgliceróis, ésteres do colesterol, fosfolipídios e apoproteínas. Estas são sintetizadas pelos enterócitos e pelos hepatócitos. A molécula de proteína solubiliza, estabiliza o complexo e constitui o rótulo pelo qual os receptores das células reconhecem o agregado. As partículas de lipoproteínas variam em tamanho. Quanto maiores, menor a densidade. Em ordem de densidades crescentes e tamanhos decrescentes a enumeração seria: quilomicrons, quilomicrons remanescentes, VLDL (lipoproteínas de densidade muito baixa), IDL (lipoproteína de densidade intermediária) LDL(lipoproteínas de densidade baixa) e HDL (lipoproteínas de densidade alta) Exclamation

Paula

Mensagens : 13
Data de inscrição : 22/11/2007

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

bibliografia de lipoproteina

Mensagem  Paula em Seg Dez 03, 2007 10:50 am


Paula

Mensagens : 13
Data de inscrição : 22/11/2007

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

lipossomos

Mensagem  Thalyta em Seg Dez 03, 2007 1:27 pm

Os lipossomos são, geralmente, formados a partir de fosfolipídios (há uma enorme variedade disponível, entre artificiais e sintéticos) que, por sua vez, apresentam alta afinidade por bicamadas celulares. Lipossomos podem ser formados por mistura de anfifílicos, por exemplo, dimiristoil fosfatidil colina e derivados de fosfatidil glicerol insaturados.

>> http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0100-40422002000500016&script=sci_arttext

+ COISA !
Lipossomos são vesículas microscópicas formadas por uma bicamada de fosfolípides análoga à membrana celular. Vetores de lipossomos podem ser sintetizados pela mistura de fosfolípides com água e genes desejados sob condições apropriadas.

>> http://www.rbo.org.br/materia.asp?mt=1768&idIdioma=1

Thalyta

Mensagens : 12
Data de inscrição : 21/11/2007
Idade : 28

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

achei + coisa. :)

Mensagem  Thalyta em Seg Dez 03, 2007 1:52 pm

Os lipossomas são constituídos de uma ou mais bicamadas
concêntricas, separadas por fases aquosas e englobando um
compartimento aquoso interno. Esses sistemas organizam-
se na presença de água, sendo que, em parte, a orientação de
bicamada é determinada pela natureza dos grupos polares e das
cadeias carbônicas. Os lipossomas têm sido amplamente utilizados como veículo
em fórmulas dermocosméticas, em razão de que sua estrutura
proporciona a encapsulação de substâncias ativas hidrofílicas e
lipofílicas, visto serem constituídos por compostos anfifílicos.

>>http://www.nanobiotec.iqm.unicamp.br/download/lipossomasecosmeticos.pdf

Thalyta

Mensagens : 12
Data de inscrição : 21/11/2007
Idade : 28

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Sobre os tipos de proteínas...

Mensagem  Lays Tamara em Seg Dez 03, 2007 4:14 pm

Para completar as respostas das meninas. Tá um pouco grandinho, mas... Razz


Proteínas integrais de membrana
• Proteínas integrais ou intrínsecas são fortemente ligadas às membranas por meio de interações hidrofóbicas
• Ligam-se fortemente aos lipídios
• Tendem a agregar-se e a precipitar em solução aquosa
• São moléculas anfifílicas orientadas assimetricamente: os segmentos de proteínas imersos no interior apolar da membrana possuem resíduos superficiais predominantemente hidrofóbicos, ao passo que as porções que se estendem no ambiente aquoso são cobertas por resíduos polares.

Proteínas ligadas a lipídios
• Algumas proteínas associadas a membranas contêm lipídios covalentemente ligados a elas, responsáveis pelo ancoramento de tais proteínas à membrana
• O grupo lipídico pode mediar interações proteína-proteína ou modificar a estrutura e a atividade da proteína à qual ele está fixado
• Ocorrem em três variedades: proteínas preniladas, proteínas graxo-aciladas e proteínas ligadas a glicosilfosfatidil-inositol
• Uma proteína pode conter mais de um grupo lipídico covalentemente ligado a ela

Proteínas periféricas de membrana
• Ao contrário das proteínas integrais, ou aquelas ligadas a lipídios, podem ser dissociadas das membranas
• As proteínas periféricas não se ligam a lipídios – associam-se às membranas ligando-se à superfície delas por meio de interações eletrostáticas e ligações de hidrogênio
• Citocromo C – é um exemplo - proteína periférica associada à superfície externa da membrana mitocondrial interna.

http://www.biocristalografia.df.ibilce.unesp.br/cursos/intro_bioquimica/aula13.pdf


Proteínas Integrais:
Formam canais (poros) pelos quais as substâncias hidrossolúveis – em especial
íons – podem difundir-se entre o LIC e o LEC. Também apresentam propriedades
seletivas, difundindo algumas substâncias em maior quantidade que outras. Outras
proteínas integrais atuam como proteínas carreadoras p/ o transporte na direção oposta
à direção natural de difusão (transporte ativo). Ainda outras atuam como enzimas.

Proteínas Periféricas:
Ocorrem na face interna da membrana, fixando-se a uma das proteínas integrais.
Atuam como enzimas ou outros tipos de controladores do funcionamento celular.

http://ib.ufpel.edu.br/a%20celula%20e%20seu%20funcionamento.pdf


Proteína transmembrana
É uma proteína integral de membrana que atravessa a bicamada lipídica uma vez (unipasso) ou várias (multipasso). Podem-se distinguir três domínios nestas proteínas. Em primeiro lugar, uma zona que passa através da membrana, de características hidrofóbicas (que repele a água), que interage com os lípidos da bicamada lipídica (membrana celular). Para além deste domínio, existe um citosólico e outro extracitosólico, que estão em contacto com o interior e exterior da célula respectivamente, de caráter hidrofílico. O resultado é uma proteína anfipática. Como proteína integral que é, só se pode isolar da bicamada mediante a aplicação de detergentes, como e SDS. As principais funções são: servir como canais transportadores de íons ou moléculas, como por exemplo as aquaporinas que transportam água através da membrana; recepção de sinais celulares, ancoragem ao citoesqueleto ou à matriz extracelular, etc.

1)Transmembranar unipasso
Atravessa a bicamada uma única vez. O extremo N-terminal da proteína fica de um dos lados da membrana e o extremo C-terminal no outro. Deste tipo são os receptores PTK, as enzimas do aparelho de Golgi, etc. Um exemplo muito estudado é a glicoforina da membrana do eritrócito. Os domínios destas proteínas caracterizam-se por:

a)Domínio transmembranar
Apresenta uma estrutura secundária em α-hélice, com um comprimento de 20 a 30 aminoácidos. Os resíduos laterais são na sua grande maioria hidrofóbicos, como a alanina, leucina, isoleucina, entre outros, para poder interagir com o interior da bicamada por forças hidrofóbicas e de Van der Waals. É importante salientar que o interior da hélice está ocupado, e não serve como canal. Nos extremos da hélice, podem estar resíduos carregados electricamente, que interagem com a cabeça polar dos fosfolípidos da bicamada.

b)Dominios não transmembranares
São geralmente hidrofílicas e globulares de dimensões variáveis, e que são mantidos mediante pontes de hidrogénio e forças eletrostáticas. No domínio extracitosólico podem apresentar ligações dissulfito (-S-S-) e cadeias de oligossacarídeos, fato que não ocorre no domínio citosólico.

2)Transmembranar multipasso
Atravessam a bicamada lipídica por duas ou mais ocasiões, normalmente mediante varias α-hélices, ainda que haja casos de inserções através de folhas-beta. Existem muitos exemplos: receptores associados a proteínas G triméricas, canais iônicos, porinas em bactérias, e de novo no eritrócito, a proteína banda 3, proteína transmembranar multipasso que atravessa a membrana com 12 α-hélices e com os seus extremos em direção ao citosol.

a)Multipasso em α-hélice
Estas proteínas possuem tantas α-hélices como as vezes que atravessam a membrana. Estas hélices unem-se depois nos domínios citosólico e extracitosólico. As α-hélices podem servir unicamente como mero meio de ancoragem à bicamada ou podem formar um canal através do qual podem passar diversas substâncias. Neste último caso, as hélices possuem resíduos hidrofóbicos dirigidos para fora do canal e que interagem com a bicamada, e resíduos hidrofílicos dirigidos para o canal. Desta forma, muitas substâncias polares que em ausência de proteínas não poderiam cruzar a membrana, poderão fazê-lo através destes canais. Para poder formar um canal iônico são necessárias um mínimo de 5 α-hélices.

http://pt.wikipedia.org/wiki/Prote%C3%ADna_transmembranar


Porinas:
São proteínas transmembranares, responsáveis pela difusão de pequenos metabólitos como açucares, aminoácidos e íons.
Possuem folhas betas antiparalelas formando um cilindro (beta barrel). Algumas porinas têm especificidade de substrato além de propriedades de difusão.
Alguns exemplos são: maltoporina (homotrimero da membrana da E. coli e porina específica de sacarose de Salmonela typhimurium) e OprB (seletiva da glicose produzida por Pseudomonas).

http://pt.wikipedia.org/wiki/Porina


Proteínas transmembranas e integrinas ligantes têm um importante papel no desenvolvimento da resposta imune, tráfego de leucócitos e hemostasias de muitas doenças genéticas, inclusive o câncer.

https://www.oncopediatria.org/portal/hotsites/congressoX/view.jsp?valor=AO_xml/OP-AO-34&estilo=apres

Espero que ajude... Very Happy

Lays Tamara

Mensagens : 16
Data de inscrição : 20/11/2007

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Lipoproteínas...

Mensagem  Lays Tamara em Seg Dez 03, 2007 4:29 pm

Lipoproteínas
São partículas globulares tipo micelas que consistem de um núcleo apolar de trialcilgliceróis e ésteres de colesterol envolvidos por um revestimento anfifílico de proteínas, fosfolipídios e colesterol.

Há cinco classes de lipoproteínas:
1. Quilomícrons, que transportam triacilgliceróis e colesterol exógenos do intestino para os tecidos
2. VLDL, IDL e LDL são um grupo de partículas relacionadas que transportam triacilgliceróis e colesterol endógenos do fígado para os tecidos
3. HDL, que transportam colesterol endógeno dos tecidos para o fígado

Estrutura de lipoproteínas:
• Cada lipoproteína contém uma quantidade suficiente de proteínas, fosfolipídio e colesterol para formar uma monocamada dessas substâncias na superfície da partícula
• As densidades das lipoproteínas aumentam com o decréscimo do diâmetro da partícula, pois a densidade do revestimento externo é maior que a do núcleo interno
• Assim, a HDL, que é a mais densa das lipoproteínas, é também menor.

Apolipoproteínas revestem a superfície das lipoproteínas:
• Apolipoproteínas são os componentes protéicos das lipoproteínas
• A maioria é solúvel em água e está associada de maneira bastante fraca às lipoproteínas
• Possuem um elevado conteúdo de hélices, que aumenta quando elas são incorporadas a lipoproteínas
• As hélices são estabilizadas pelo ambiente lipídico
• Tipos: apolipoproteína A-I - quilomícrons e HDL apolipoproteína B-100 - LDL

http://www.biocristalografia.df.ibilce.unesp.br/cursos/intro_bioquimica/aula14.pdf

Lays Tamara

Mensagens : 16
Data de inscrição : 20/11/2007

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Tem mais! xD

Mensagem  Lays Tamara em Seg Dez 03, 2007 4:50 pm

Lipoproteínas:
Qualquer um dos complexos lipídeo-proteína nos quais os lipídeos são transportados no sangue; as partículas de lipoproteína consistem em um centro hidrofóbico esférico de triglicerídeos ou colesteril ésteres rodeado por uma camada anfipática de fosfolipídeos, colesterol e apolipoproteínas; as quatro classes principais são as lipoproteínas de alta densidade, baixa densidade, muito baixa densidade e os quilomícrons.

http://www.pdamed.com.br/diciomed/pdamed_0001_10692.php

Lipoproteínas HDL:
Uma classe de lipoproteínas freqüentemente dividida em HDL2, HDL3, e a variante menor HDL1. A HDL promove o transporte de colesterol do tecido extra-hepático ao fígado; sob a forma de partículas de "HDL nascente" discóides, desprovidas de um centro lipídico, acumula um centro de colesteril ésteres durante o transporte inverso de colesterol e os transfere ao fígado direta ou indiretamente, via outras lipoproteínas. A HDL também faz uma ponte de apolipoproteínas C-II e E de ida e volta para lipoproteínas ricas em triglicerídeos durante o catabolismo das lipoproteínas.

http://www.pdamed.com.br/diciomed/pdamed_0001_10695.php

Lipoproteínas VLDL:
Uma classe de lipoproteínas que transporta triglicerídeos do intestino e fígado para os tecidos adiposo e muscular. Sintetizada pelo fígado, contêm principalmente triglicerídeos nos seus centros lipídicos, com alguns colesteril ésteres; à medida que seus triglicerídeos são clivados por lipoproteína lipase endotelial e transferidos para tecidos extra-hepáticos, as partículas de VLDL perdem a maior parte da sua apolipoproteína C e tornam-se lipoproteínas de densidade intermediária.

http://www.pdamed.com.br/diciomed/pdamed_0001_10697.php

Lipoproteínas LDL:
Uma classe de lipoproteínas responsáveis pelo transporte de colesterol aos tecidos extra-hepáticos. Ela é formada na circulação, quando lipoproteínas de muito baixa densidade são degredadas primeiro para lipoproteínas de densidade intermediária e a seguir para LDL pelo ganho e perda de apolipoproteínas e a perda da maior parte dos seus triglicerídeos. Ela é captada e catabolizada pelo fígado e tecidos extra-hepáticos por endocitose mediada por receptores específicos.

http://www.pdamed.com.br/diciomed/pdamed_0001_10696.php

Lipoproteínas do colesterol HDL:
Colesterol que está contido ou ligado a uma lipoproteína de alta densidade (HDL). Lipoproteínas de alta densidade transportam colesterol da periferia dos tecidos até o fígado, atuando como varredor, impedindo o acúmulo excessivo e depósito de colesterol nos vasos sanguíneos.

http://www.pdamed.com.br/diciomed/pdamed_0001_10693.php

Apolipoproteínas:
Componentes protéicos de lipoproteínas que permanecem após os lípides aos quais as proteínas estão ligadas serem removidos. Desempenham um importante papel no transporte e metabolismo de lípides.

http://www.pdamed.com.br/diciomed/pdamed_0001_02166.php

Apolipoproteínas A:
Lipoproteínas encontradas no soro humano em frações lipoprotéicas de alta e muito baixa densidade (HDL e VHDL). Consistem em vários polipeptídeos diferentes, dos quais os mais importantes são a apolipoproteínas A-I e A-II. Elas mantêm a integridade estrutural das partículas HDL e são ativadoras de lecitina: colesterol aciltransferase (LCAT).

http://www.pdamed.com.br/diciomed/pdamed_0001_02167.php

Apolipoproteínas A-I:
Principal componente protéico de lipoproteínas de alta densidade. É um instrumento na promoção do efluxo de colesterol do tecido extra-hepático para o fígado, onde é metabolizado e excretado do corpo. O composto é o ativador enzima lecitina-colesterol aciltransferase, que forma ésteres de colesteril no HDL. O gene da apolipotroteína é encontrado ao longo do braço do cromossomo 11.

http://www.pdamed.com.br/diciomed/pdamed_0001_02165.php

Quilomícrons:
Uma classe de lipoproteínas que transporta colesterol e triglicerídeos exógenos (da dieta) do intestino delgado aos tecidos após as refeições. Sintetizados na mucosa intestinal e transportados através dos qualíferos intestinais e do sistema linfático para a corrente sanguínea, eles são, a seguir, degradados até restos de quilomícrons nos capilares do músculo e no tecido adiposo por intermédio da clivagem da maioria dos seus triglicerídeos pela lipoproteína lipase endotelial. Esses restos são rapidamente retirados pelo fígado por meio de endocitose mediada por receptores.

http://www.pdamed.com.br/diciomed/pdamed_0001_14013.php

Lays Tamara

Mensagens : 16
Data de inscrição : 20/11/2007

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

para ajudar na questão 3

Mensagem  suelen lopes em Seg Dez 03, 2007 5:09 pm

affraid O colesterol por si só não forma uma camada, diminui a fluidez da membrana, porque o seu sistema de anéis esteróide rígidos interfere com a movimentação das cadeias laterais de ácidos graxos em outros lipídios da membrana. Aumenta a faixa de temperatura da fase de transição porque o colesterol inibe a cristalização das cadeias laterais de ácidos graxos ao inserir-se dentre elas. Enfim o colesterol funciona como uma espécie de plastificador da membrana. cyclops cyclops

suelen lopes

Mensagens : 8
Data de inscrição : 03/12/2007

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Para ajudar a entender mais sobre lipoproteínas...

Mensagem  Lays Tamara em Seg Dez 03, 2007 5:32 pm

Para ajudar a entender mais sobre uma das minhas respostas anteriores pesquisei um pouco sobre colesterol e fosfolipídios... Very Happy

O que é o colesterol?
O colesterol é uma substância semelhante à gordura que é transportada pelo sangue para todas as células do organismo. O organismo necessita de colesterol para o desenvolvimento das paredes celulares, bem como para o desempenho de outras das suas funções importantes.

"Bom" vs. "Mau"
O colesterol e o sangue não se dão bem. Assim, para que o colesterol seja transportado no sangue encontra-se revestido por uma camada de proteínas que forma a lipoproteína. Duas lipoproteínas de que talvez já tenha ouvido falar são a lipoproteína de alta densidade, ou o HDL-colesterol, e a lipoproteína de baixa densidade, ou o LDL-colesterol.

HDL-colesterol - colesterol "bom":
A lipoproteína de alta densidade, ou HDL-colesterol, é o chamado " colesterol bom", por se acreditar que elimina o colesterol do sangue. Ter níveis elevados de HDL-colesterol poderá ajudá-lo a minorar os riscos de doença coronária. Por outro lado, os níveis baixos podem aumentar o risco de doença cardíaca.

LDL-Colesterol - colesterol "mau”:
A lipoproteína de baixa densidade, ou LDL-colesterol, é conhecido como sendo o ”colesterol mau." O LDL-colesterol em excesso deposita-se nas artérias e pode estar na origem de doença cardíacas. Quanto maior for o nível de LDL, maior será o risco de doença cardíaca. Assim, ao diminuir os níveis de LDL-colesterol está a reduzir os riscos de vir a ter um ataque cardíaco.

http://www.pfizer.pt/acessibilidade/saude/cardio_col_verda.php



Fosfolipídios:
São lipídios constituidos por uma molécula de glicerol, duas cadeias de ácidos graxos (uma saturada e uma insaturada), um grupo fosfato e uma molécula polar ligada a ele.
São moléculas anfipáticas, isto é, possuem uma cabeça constituida pelo grupo fosfato que é polar ou hidrofílica (tem afinidade por água) e uma cauda constituída pelas cadeias de ácidos graxos apolar ou hidrofóbica, isto é que repele a água.
Os fosfolipídios são os constituintes principais das membranas celulares. Cada membrana é constituída por uma dupla camada fosfolipídica organizada de modo a que as cabeças hidrofílicas fiquem viradas para o lado exterior da membrana e as caudas hidrofóbicas para o interior. Esta organização permite tornar a membrana seletiva, pois só atravessam a membrana por difusão simples as substâncias lipossolúveis.
Nas membranas existem vários tipos de fosfolipídios, entre eles a fosfatidilserina, a fosfatidiletanolamina, a esfingomielina e a fosfatidilcolina.

Lecitinas:
São ésteres do ácido fosfatídico nos quais o grupo fosfato é esterificado com o grupo OH da colina. Como exemplo a Lecitina (fosfatidilcolina)

Cefalinas:
São também ésteres do ácido fosfatídico. O álcool que esterifica o fosfato pode ser ou serina ou etanolamina. Como exemplos a Fosfatidiletanolamina e a Fosfatidilserina.

Plasmalógenos:
São cefalinas ou lecitinas onde o ácido graxo da posição terminal é substituído por um aldeído. Formando um hemiacetal, este sendo instável, estando em equilíbrio como glicerol e o aldeído livre.
Os plasmalógenos distribuem-se amplamente nos tecidos animais, embora ocorram em baixas concentrações.

Cardiolipinas:
São isoladas do músculo cardíaco. São difosfatidilgliceróis onde uma molécula de glicerol se liga a duas moléculas de ácido fosfatídico.

Fosfatidilinositóis:
São compostos onde o fosfato do ácido fosfatídico esterifica o myo-inositol fosforilado. Fosfatidilinositóis encontram-se em plantas, microorganismos e animais.

http://pt.wikipedia.org/wiki/Fosfol%C3%ADpido

Lays Tamara

Mensagens : 16
Data de inscrição : 20/11/2007

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Lipossomos!

Mensagem  Lays Tamara em Seg Dez 03, 2007 6:00 pm

Lipossomos: Cool
Vesículas artificiais, simples ou multilamelares (preparadas a partir de lecitina ou outros lipídeos), usadas para liberar uma variedade de moléculas ou complexos moleculares biológicos em células, por exemplo, liberação de drogas e transferência de genes. Usados também para estudar membranas e proteínas de membranas.

http://www.pdamed.com.br/diciomed/pdamed_0001_10700.php

bom

Lays Tamara

Mensagens : 16
Data de inscrição : 20/11/2007

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Achei mais sobre Lipossomos.

Mensagem  Lays Tamara em Seg Dez 03, 2007 6:11 pm

Lipossomos:
São essencialmente esferas de membrana sintética formadas por camadas bilipídicas preenchidas com DNA. Eles se fundem espontaneamente com a membrana celular, liberando seu conteúdo no citoplasma. Apresentam a vantagem de nunca causar doença alguma, porém apresentam pouca eficiência.

http://www.libertaria.pro.br/tdna_recombinante_intro.htm

Lipossomos:
Podem ser definidos como vesícula lipídios artificiais, utilizadas como veículo para introdução de partículas ou materiais exógenos dentro de protoplastos. Podem ser usadas, portanto, para encapsular DNA e a partir da fusão do lipossomo com um protoplasto, transferir DNA para dentro da célula. Este mecanismo tem sido usado para conseguir a absorção, integração e herança de gene exógeno em fumo.
A vesícula lipídica visa proteger o DNA que carrega do ataque de endonucleases, as quais impossibilitariam a sua integração ao genoma da célula alvo.
Os lipossomos são obtidos geralmente a partir de fosfatidilserina e colesterol de acordo com o método REV.
O método requer a digestão da parede celular e a incubação destes protoplastos com os lipossomos na presença de agente fusogênicos como PEG (polietileno glicol) ou PVA (polivinil Álcool) com lavagem subseqüente em elevado pH saturado em íons de cálcio.
Os períodos de incubação variam de 10 minutos a 2 horas.
Parece haver maior dificuldade de incorporação de moléculas maiores, mas pode ser empregado para encapsular e introduzir plasmídios e DNA's recombinantes e RNA viral.
No tocante aos mecanismos que regem essa ligação, existem muitos fatores a serem esclarecidos além das endocitoses. Da mesma forma são necessários mais estudos relativos a eficiência do DNA, tamanho de protoplastos, grau de superfície e peso, os quais também influenciam.
A eficiência de absorção de DNA a partir da incubação de protoplastos com lipossomos carregando plasmídios foi de 10-20% onde cerca de 50% do DNA nos protoplastos encontravam-se na fração nuclear, ocorrendo porém desaparecimento ou diminuição ou ambos do número de plasmídios em uma semana de cultura.
Os métodos de transferência direta de genes parecem ser mais eficientes que os lipossomos, mas a entrada de DNA para dentro dos protoplastos não parece ser limitante nesta técnica. Pode ser um método vantajoso para a transferência de genes a organelas.

http://www.consulteme.com.br/media/index.php/Lipossomos

Lays Tamara

Mensagens : 16
Data de inscrição : 20/11/2007

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

lipidios

Mensagem  suelen lopes em Seg Dez 03, 2007 8:06 pm

Embarassed Tenho algo sobre micelas...

Em soluções aquosas moléculas anfifílicas, como os sabões e os detergentes, formam micelas (agregados globulares cujos grupos hidrocarbonados não estão em contato com a água) eliminando contatos desfavoráveis entre a água e as caudas hidrofóbicas das moléculas anfifílicas e permite a sovataçõa das cabeças polares.
O tamanho e a forma aproximados de uma micela podem ser previstos a partir de considerações geométricas. As moléculas anfifílicas de uma única cauda, coma sabões aniônicos, formam micelas esferoidais ou elipsoidais devido à sua forma afunilada (suas cabeças polkares hidratadas são mais larga que suas caudas). O número de moléculas existente em uma micela depende do tipo de molécula anfilíca, mas para muitas substâncias esse número fica na ordem de várias sentenas, pois se fossem poucas o cerne hidrofóbico da micela ficaria exposta a água, ao passo que muitas moléculas dariam a micela um centro oco energeticamente desfavoráveis, bom uma micela grande poderia achatar-se para eliminar o centro oco, mas isso também ocasionaria a formação de espaços vazios.
As duas caudas hidrocarbonadas dos glicerofosfolipídeos dão a essas moléculasanfifílicas uma seção longitudinal de aparência retangular. A existencia estéricas para a interação de tais moléculas produz grandes micelas na forma de disco, envelope de Van der Waals, são folhas bimoleculares estendidas. Essas bicamadas lipídicas têm ~60 A de espessura, conforme medido por microscopia eletrônica e por técnicas de difração de raio X, um valor esperado para as caudas de hiddro carbonetos quase completamente estendidas.
Lipossomos é uma suspenção de fosfolipídeos (glicerofosfolipídeos oou esfingomielinas).São vesiculas fechadas e auto-selantes preenchidas com solventes, delimitadas apenas por uma única bicamada, têm em geral diametros de algumas centenas de ângestrons e, em uma dada preparação, são preferencialmente uniformes em tamanho. Uma vez formados são bastantes estáveis e podem ser puricados por diálise, cromatografia em gel-filtração ou centrifugação. Os lipossomos cujo o ambiente interno se difere da solução que os envolve podem ser facilmente preparados . Eles servem como modelo de membranas biológicas e são promissores como veículos para dispensar drogas, uma vez que são absorvidos por muitas células por meio de fusão com a membrana plasmática.
Eu tirei xerox do livro do professor portanto não sei a bibliografia desta e da outra mensagem que mandei alien confused

suelen lopes

Mensagens : 8
Data de inscrição : 03/12/2007

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Membranas celulares

Mensagem  Conteúdo patrocinado


Conteúdo patrocinado


Voltar ao Topo Ir em baixo

Página 2 de 4 Anterior  1, 2, 3, 4  Seguinte

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo

- Tópicos similares

 
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum